Notícia

A Evolução das Arenas

PUBLICADO EM 12 de agosto de 2015 Voltar
Imagem principal

O sucesso do Senepol na América Latina mostra claramente que a união entre o taurino adaptado e a pecuária tropical se transformou em uma dupla perfeita. Visionários foram aqueles que, desde o início, perceberam o valor da raça e abraçaram uma causa ainda pouco conhecida. A história começa com o geneticista americano Rob Brown e ganha um representante brasileiro – a Soledade, responsável por continuar a seleção da família de mais alto padrão genético – as Arenas.

Se de um lado, as sólidas pesquisas americanas foram essenciais para potencializar as características genotípicas e fenotípicas que diferenciam o Senepol, de outro, a sagacidade de trazê-lo para a América Latina foi fundamental para o seu desenvolvimento. Mas, chegar ao Brasil foi à peça chave para que a raça ganhasse tamanho amadurecimento a ponto de modificar o conceito de se produzir carne de qualidade a pasto.

Essa realidade, no entanto, só se tornou possível com a atuação de alguns nomes importantes. O primeiro deles é Rob Brown, eleito pelos americanos o geneticista do século. Rob Brown foi o responsável por trazer o Senepol do Caribe – berço da raça – para os Estados Unidos, onde foi possível estudá-lo e selecioná-lo com base em um conhecimento científico de excelência.

Foi Rob Brown quem desenvolveu uma linhagem visando conseguir indivíduos com características ideais para a raça. Planejou, assim, um acasalamento diferenciado, direcionando um potencial genético para cada embrião.

No entanto, sem um cliente de Rob Brown, o Senepol talvez não tivesse chegado aos trópicos. Trata-se de Don Carlos, proprietário da Ganadera 63 no Paraguai, que por indicação do geneticista americano, levou a raça para o País e multiplicou a genética escolhida por Rob Brown. Às fêmeas, deu-se o nome de ARENA e aos machos, SOL.

Mas, o Paraguai ainda não era o destino final do Senepol. Buscando por um mercado promissor, Don Carlos viu no Brasil a oportunidade para, enfim, ancorar o futuro da raça. Apesar da dedicação ao Senepol, Don Carlos teve que se desfazer de seu plantel. E foi a chance para o criatório Soledade iniciar uma inovadora empreitada.

Ricardo Carneiro, proprietário da Soledade, adquiriu grande parte do plantel de Don Carlos e, consequentemente, a genética das Arenas. Foi dessa família que buscou a base para multiplicar os indivíduos melhoradores. E, entre todas as ARENAS, uma confirmou a visão futurística de Rob Brown: ARENA 18, a melhor matriarca Senepol, a genética perfeita.

De geração a geração, ARENA 18 confirma sua superioridade. Imprimiu sua genética em mais de 14 touros contratados, destaques nas principais centrais de genética bovina e nas pistas internacionais. Consagrou ainda doadoras campeãs nas principais provas de avaliação e performance do Brasil.

E, como todo grande astro, Arena 18 não se apagará. Alcançando novos horizontes, a Soledade perpetuou a genética da matriarca. Seu clone, GST ARENA 18 TN1E, nasceu em outubro de 2014, continuando com louvor a história dessa família que, combinada com os grandes reprodutores da raça, continuará empregando sua genética perfeita, sempre rumo à evolução do Senepol.

 

 

ARENA 18, considerada por Rob Brown a melhor doadora Senepol do mundo.

 

A genética ARENA poderá compor planteis no Leilão Arenas Soledade, dia 04/09/15

Whatsapp